O Espírito Santo no Antigo Testamento

PETER AMSTERDAM

No Antigo Testamento, o conceito de três pessoas em um Deus —Pai, Filho e Espírito Santo— ainda não havia sido revelado. Somente começou a ser esclarecido durante e após o ministério Jesus, Sua morte, ressurreição, ascensão para o Céu e o envio do Espírito Santo, em Pentecostes. Apesar de os escritores do Antigo Testamento não entenderem o conceito da Trindade ou vissem o Espírito Santo como membro da Trindade, escreveram sobre “o Espírito do Senhor” e sobre “o Espírito de Deus”. De certa forma, viam o Espírito como uma parte de Deus, como Seu poder ou ação.1

O Antigo Testamento fala do Espírito de Deus expressando posse: “Meu Espírito”, “Teu Espírito”, “Teu Espírito Santo”, “Seu Espírito Santo”. Isso mostra que os escritores do Antigo Testamento entendiam o Espírito de Deus como uma parte de Deus. Não me lances fora da tua presença, e não retires de mim o teu Espírito Santo.”2 “Para onde me irei do teu Espírito? Para onde fugirei da tua face?”3

Refere-se ao Espírito de Deus como envolvido na criação do mundo e na fonte de vida dos seres. “A terra era sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito de Deus pairava sobre a face das águas. Pelo seu sopro ornou o céu. O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida.”4

A obra e as manifestações do Espírito Santo

Além de participar na Criação, a atuação do Espírito de Deus é vista em todo o Antigo Testamento. Nos 40 anos no deserto durante os quais Moisés guiou os filhos de Israel, o Espírito de Deus estava sobre ele. Quando o fardo de liderar o povo se tornou excessivo, Deus colocou Seu Espírito sobre setenta anciãos do povo.5 Diz-se de Josué, que neste habitava o Espírito. Outros, denominados juízes, que o sucederam na liderança do povo, também receberam o Espírito de Deus.6 Nessas situações, o Espírito do Senhor sobreveio a certas pessoas em determinados momentos, mas não permaneceu com elas indefinidamente.

Passados os tempos dos juízes, começou a linhagem dos reis de Israel. A Bíblia destaca que o Espírito revestiu os dois primeiros reis, Saul e Davi. Quando Samuel ungiu Saul para ser rei de Israel, disse-lhe diversas coisas que aconteceriam e que, quando elas ocorressem, o Espírito de Deus lhe sobreviria. Essas coisas se deram como Samuel predissera e o Espírito de Deus sobreveio a Saul, o que também aconteceu em outros momentos.7 No caso de Saul, por causa da sua desobediência, o Espírito de Deus foi posteriormente retirado dele.8

O Espírito foi dado a Davi anos antes de ele se tornar rei. A Bíblia diz: “Assim tomou Samuel o vaso de azeite, e ungiu-o no meio de seus irmãos, e daquele dia em diante o Espírito do Senhor se apoderou de Davi.”9

O Espírito de Deus também é citado em relação à profecia no Antigo Testamento: “Então o Senhor desceu na nuvem, e lhe falou [a Moisés], e tirou do Espírito que estava sobre ele, e o pôs sobre aqueles setenta anciãos. Quando o Espírito repousou sobre eles, profetizaram, porém nunca mais voltaram a fazê-lo.”10

Ao instruir Moisés com respeito à construção da arca da aliança e do tabernáculo (a tenda para abrigar a arca da aliança), assim como o altar, as vestes sacerdotais e os muitos vasos necessários no tabernáculo para a realização dos sacrifícios, Deus lhe falou dos trabalhadores específicos a quem havia dotado com Seu Espírito, habilidade e inteligência: “Disse mais o Senhor a Moisés: Vê, eu chamei por nome a Bezalel […] e o enchi do Espírito de Deus, de habilidade, de inteligência, e de conhecimento, em todo o artifício’…”11

O Espírito do Senhor também veio sobre os profetas do Antigo Testamento. Pedro, em sua segunda epístola, refere-se às profecias encontradas no Antigo Testamento e afirma que os profetas eram movidos pelo Espírito Santo: “Acima de tudo, lembrai-vos de que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação. Pois a profecia nunca foi produzida por vontade dos homens, mas os homens santos da parte de Deus falaram movidos pelo Espírito Santo.”12

No Antigo Testamento, o Espírito de Deus estava claramente ativo de diversas maneiras. Quando o Espírito preenchia ou revestia de poder as pessoas, parecia ser para uma situação específica ou por um tempo limitado. O escritor J. Rodman Williams explica da seguinte maneira: “O Espírito podia “revestir” alguém, mas, como um manto, não estava permanente sobre a pessoa. Assim, a concessão do Espírito era em grande parte transitória: para uma ocasião, para uma tarefa ou para uma comunicação. Não era uma realidade permanente.”13

O Novo Testamento e Pentecoste

“E depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões. Até sobre os servos e sobre as servas naqueles dias derramarei o meu Espírito.”—Joel 2:28–29

Contudo, Deus falou no Antigo Testamento de um momento futuro (o qual hoje sabemos ter ocorrido em Pentecostes) quando o Seu Espírito habitaria dentro das pessoas que Lhe pertenciam, não apenas em algumas, mas me todas —inclusive mulheres, servos e servas, que, na cultura da época, era uma maneira bastante enfática de expressar “todo o mundo”. Nos 400 anos que transcorreram entre os últimos escritos do Antigo Testamento e os dias que antecederam a concepção e o nascimento de Jesus, há poucas evidências da ação do Espírito de Deus, em especial no que diz respeito à profecia ou orientação dada diretamente do Senhor. Entretanto, na alvorada dos tempos do Novo Testamento, o Espírito Santo voltou a se mover e agir entre o povo de Deus em relação ao nascimento de Deus Filho, Jesus. Isabel e Zacarias, os pais de João Batista, foram cheios com o Espírito.14 O mesmo aconteceu ao próprio João Batista, quando ainda estava no ventre da mãe15. O Espírito Santo desceu sobre Maria e a sombra do Senhor a cobriu, para que ela concebesse Jesus.16

Apesar de lermos como o Espírito de Deus se manifestou em todo o Antigo Testamento, foi durante o ministério de Jesus e quando o Espírito Santo foi enviado em Pentecostes que Seu poder e a unção foram derramados e distribuídos francamente. Artigos subsequentes tratarão deste e de outras questões relacionadas ao Espírito Santo.

Se quiser mais artigos de Peter Amsterdam, visite o Espaço dos Diretores.


Notas de rodapé
  1. Ver 1 Samuel 10:10; 16:13. As escrituras são da Versão João Ferreira de Almeida, fora de outra forma mencionado.
  2. Psalm 51:11.
  3. Psalm 139:7.
  4. Gênesis 1:2; Jó 26:13; Jó 33:4.
  5. Números 11:16–17.
  6. Ver Juízes 3:9–10, 6:34; 11:29.
  7. 1 Samuel 10:6, 10.
  8. 1 Samuel 16:14.
  9. 1 Samuel 16:13.
  10. Números 11:25.
  11. Êxodos 31:1–6.
  12. 2 Pedro 1:20–21 NAS.
  13. J. Rodman Williams, Renewal Theology, Systematic Theology from a Charismatic Perspective, Volume 2 (Grand Rapids: Zondervan, 1996), 160.
  14. Lucas 1:41–42, 67.
  15. Lucas 1:14–15.
  16. Lucas 1:31, 34–35.