O Deus Homem, 2ª Parte

PETER AMSTERDAM

Na primeira parte desta série tratamos daquilo que Jesus disse e fez confirmando Sua divindade.

Seus discípulos, aqueles que viveram com Ele, O acompanharam durante os anos de trabalho junto ao público e O observaram de perto chegaram à conclusão que Ele era Deus.

Todos os Seus seguidores eram judeus, portanto conheciam muito bem as Escrituras e sabiam que, de acordo com os ensinamentos da sua religião, existe apenas um Deus e adorar a outros deuses é um pecado punido com morte.

Quando Jesus os chamou para seguir-Lhe, não sabiam que Ele era Deus. Vir a acreditar em Jesus como o Messias prometido, o Cristo, foi consequência da convivência com Ele. Mas, no geral, os judeus não esperavam que o Messias seria Deus. Naquela época, entendiam que o Messias seria o “ungido”, como os reis de Israel anteriormente, alguém que livraria Israel da opressão do governo romano. Os discípulos achavam que Jesus seria um rei terreno, ungido por Deus, não o próprio Deus. Depois de um tempo começaram a entender que Jesus era mais do que o Messias, era Deus. Mas só entenderam plenamente depois da Sua morte e ressurreição.

Inclusive na noite em que Jesus foi preso, apesar de os ter avisado previamente, eles não entenderam o que estava acontecendo e ainda viria a acontecer. A mesma multidão que naquela semana ovacionara Jesus dizendo, “Bendito O que vem em nome do Senhor,” e “Hosana nas alturas”, 1 dias depois gritava, “Crucifica-O!”2

Eles O viram pregar para milhares de pessoas e ministrar individualmente. Testemunharam milagres, sabiam que dos cinco pães e dois peixes de início recolheram cestos e mais cestos depois que todos foram servidos. Viram Jesus caminhar sobre as águas, restaurar a visão de cegos, curar leprosos e ressuscitar mortos. Viram Jesus ser preso, açoitado e pregado a uma cruz. Eles O viram morrer e ser sepultado, ficaram desesperados e se esconderam de medo. E depois O viram novamente, vivo! Falaram com Ele, comeram juntos, e quarenta dias depois testemunharam a Sua ascensão às nuvens.

Tudo relacionado à vida, morte e ressurreição de Jesus convenceu essas pessoas e muitos outros seguidores que Ele era não apenas o Messias, mas Deus. Os Seus discípulos tinham tanta fé nisso que foi o que pregaram para o resto de suas vidas, mesmo que resultasse em perseguição, sofrimento e martírio. Segundo a tradição, quase todos os apóstolos foram mártires pela fé, só João teve morte natural.

Antes de Jesus ser crucificado, os discípulos talvez não entendessem totalmente quem Ele era e o que significava Ele morrer pelos pecados do mundo. Mas depois que ressurgiu dos mortos e antes de ascender aos céus, Jesus lhes explicou em pormenores os versículos a Seu respeito e a relação com Ele, para terem uma compreensão melhor das Escrituras.

“Jesus lhes disse: São estas as palavras que vos falei estando ainda convosco, que era necessário que se cumprisse tudo o que de Mim estava escrito na lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos. Então lhes abriu o entendimento para compreenderem as Escrituras, e disse: Eis o que está escrito: O Cristo padecerá, e ao terceiro dia ressurgirá dentre os mortos, e em Seu nome se pregará o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações, começando por Jerusalém.”3 E começando por Moisés, e por todos os profetas, explicou-lhes o que dEle se achava em todas as Escrituras.4

A partir do dia de Pentecoste os discípulos passaram a pregar e escrever sobre a divindade de Cristo. Neste artigo incluiremos algumas de suas declarações no Novo Testamento. Os Evangelhos e Epístolas, são o fundamento das crenças básicas do cristianismo, a saber, a divindade de Jesus, Sua Encarnação, e a doutrina da Trindade.

A fé judaica e blasfêmia

Todos os primeiros discípulos e apóstolos eram judeus. Paulo, autor de muitas das epístolas no Novo Testamento só veio a crer em Jesus alguns anos depois de Ele subir aos céus. Não obstante é considerado um apóstolo também, e desempenhou papel chave para o desenvolvimento da incipiente igreja cristã e disseminação de sua doutrina. Paulo era judeu e também, como ele próprio disse, “hebreu de hebreus; segundo a lei, fariseu; segundo o zelo, perseguidor da igreja; segundo a justiça que há na lei, irrepreensível.”5

Para os judeus da época, principalmente os fervorosos como Paulo, as Escrituras – a Lei e os Profetas — eram parte integral de suas vidas. Eles se conduziam pela Lei, tanto moral como cerimonial. Todo o seu contexto de vida, sua cultura e visão do mundo eram moldados pelas Escrituras e tradições que respiravam. Se fosse considerado errado pelas Escrituras, então era aceito universalmente como errado. O não cumprimento das Escrituras incorria em punição, não apenas espiritual, mas física. Naquela época, uma adúltera pega em flagrante deveria ser morta a pedradas. Estevão, um dos primeiros discípulos, foi apedrejado por suas palavras terem sido consideradas blasfemas. Assim eram as leis que governavam o povo judeu e transgressões geravam esse tipo de consequência.

A base da fé judaica, apoiada pela lei judaica, era lealdade a Deus. Adoração ao Deus de Israel era de vital importância; fidelidade a Ele, e a Ele apenas era o eixo da sua fé.

Ouve, ó Israel: O Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de toda a tua força … Ao Senhor teu Deus temerás, e a Ele servirás, e pelo Seu nome jurarás. Não seguirás outros deuses, os deuses dos povos que estão ao teu redor; pois o Senhor teu Deus é um Deus zeloso no meio de ti, para que a ira do Senhor teu Deus não se acenda contra ti, e te destrua de sobre a face da terra.6

A Bíblia relata que, no início do ministério de Jesus, depois de Ele caminhar sobre as águas, os discípulos O adoraram e declararam, “És verdadeiramente o Filho de Deus.”7 Mas essa adoração de Jesus como Deus se tornou constante depois que testemunharam Sua morte e ressurreição. Era uma atitude inconcebível dentro da lei judaica, seus costumes e cultura, mas uma barreira transposta pelos discípulos tamanha a sua convicção da divindade de Cristo.

Os onze discípulos partiram para a Galiléia, para o monte que Jesus lhes tinha designado. Quando O viram, O adoraram; mas alguns duvidaram.8 Então eles O adoraram e voltaram com grande júbilo para Jerusalém.9

Testemunho dos que escreveram o Novo Testamento

Os autores dos livros do Novo Testamento, vários deles apóstolos, afirmam explicitamente que Jesus é Deus.

Cristo, o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente.10 No princípio era o Verbo [Jesus], e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus.11

Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo, aos que conosco alcançaram fé igualmente preciosa pela justiça do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo.12 … aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus.13 … Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna.14 Tomé respondeu [a Jesus], “Senhor meu e Deus meu!”15

No Evangelho de João, escrito originalmente em grego, relata Tomé chamando Jesus de Senhor Deus. É uma das referências mais poderosas, pois descreve Jesus usando duas palavras que significam Deus, Kyrios (Senhor) e Theos (Deus).

Kyrios era tradução do hebraico Adonai (Senhor), usada pelos judeus em vez de YHWH, o nome que Deus revelou a Moisés no Monte Sinai. Já que os judeus não proferiam o nome YHWH, referiam-se a Deus como Senhor.

A palavra Deus neste versículo é traduzida do hebraico Elohiym para o grego Theos, que também significa Deus. Em outras palavras, Tomé fez uma forte declaração de que Jesus é YHWH e Elohiym, os dois nomes judeus designando Deus. “Senhor meu (Kyrios-YHWH) e Deus meu (Theos-Elohiym).”

No Antigo Testamento, no Salmo 35:23, vemos um exemplo de Deus ser chamado Senhor (Adonai) e Deus (Elohiym): Acorda e desperta para o meu julgamento, para a minha causa, Deus meu e Senhor meu!

Poderes divinos

Além de chamar Jesus de Deus e adorá-lO como tal, os autores do Novo Testamento relataram o que Ele fez e pode fazer, obras tipicamente sobrenaturais, começando com a criação de todas as coisas.

Todas as coisas foram feitas por meio dEle, e sem Ele nada do que foi feito se fez.16 Havendo Deus outrora falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez o mundo.17

Pois nEle foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por Ele e para Ele. Ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por Ele.18

No Novo Testamento se referiram também ao julgamento no pós-vida, uma prerrogativa divina afirmada por Jesus. Pois todos devemos comparecer perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal.19

Mas Deus, não levando em conta os tempos da ignorância, manda agora que todos os homens em todos os lugares se arrependam. Pois determinou um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou. Ele disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.20

O perdão dos pecados é outra prerrogativa de Deus que Jesus disse ter e os apóstolos pregaram.

Deus, com a Sua destra, O elevou a Príncipe e Salvador, para dar a Israel o arrependimento e a remissão dos pecados.21… nosso Senhor Jesus Cristo, o qual Se deu a Si mesmo por nossos pecados, para nos livrar do presente século mau.22 … e da parte de Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, o primogênito dos mortos e o príncipe dos reis da terra. Àquele que nos ama, e em Seu sangue nos lavou dos nossos pecados.23

A essência do cristianismo

Jesus é Deus. Essa é a essência do cristianismo. Crer nisso é o que torna alguém cristão. Se Jesus não é Deus perdemos a essência da nossa fé e ela se torna infundada. Jesus disse ser Deus. Os Seus discípulos acreditavam nisso, era o que pregavam e foi a base do movimento cristão que perdurou por mais de dois mil anos e hoje soma mais de dois bilhões de seguidores dessa verdade fundamental.

O Novo Testamento proclama que Jesus existiu antes de todas as coisas, que tudo foi feito por Ele e que Ele participou tornando-Se homem; Ele perdoa pecados e pela Sua morte e ressurreição trouxe salvação e vitória sobre a morte. Os Seus milagres, bem como relacionamento único com o Pai dão provas de Sua divindade. Jesus é o Filho do Deus vivo. E não só isso, mas sabemos que Ele é Deus. Esse é o ensinamento cristão padrão no qual todo verdadeiro cristão acredita. Pelo fato de Jesus ser Deus, Ele é a água da vida, a luz do mundo, o pão que desceu do Céu, a ressurreição e a vida, Aquele que perdoa nossos pecados e concede a vida eterna a todos que nEle creem. A salvação da alma é o legado precioso que Ele nos deixou por meio de Sua vida, morte e ressurreição.

Resumo de Deus Homem 1ª e 2ª parte

  • Jesus é Deus.
  • Jesus afirmou claramente a Sua divindade enquanto viveu na terra. Essa mensagem foi entendida inequivocamente pelos líderes religiosos judeus da época.
  • Algumas referências específicas que Ele fez foi quanto ao EU SOU e ao Filho do Homem, nomes de Deus no Antigo Testamento.
  • Ele clamou ter poderes divinos, tais como para julgar as pessoas e perdoar pecados.
  • Os discípulos de Jesus entenderam que Ele era Deus depois de verem a maneira como morreu, ressuscitou, e cumpriu as Escrituras judaicas.
  • Os autores do Novo Testamento, inclusive os apóstolos que acompanharam Jesus, e também Paulo, afirmam Sua divindade.
  • Os escritos no Novo Testamento são o alicerce para as crenças básicas do cristianismo.
  • Jesus ser Deus é a essência da fé cristã.

Se quiser mais artigos de Peter Amsterdam, visite o Espaço dos Diretores.


Notas de rodapé
  1. Mateus 21:9. (Salvo indicação contrária, todos os versículos são da Edição Contemporânea Almeida, Editora Vida.)
  2. Marcos 15:13.
  3. Lucas 24:44–47.
  4. Lucas 24:27.
  5. Filipenses 3:5–6.
  6. Deuteronômio 6:4–5, 13–15.
  7. Mateus 14:33
  8. Mateus 28:16–17.
  9. Lucas 24:52.
  10. Paulo, em Romanos 9:5.
  11. João, em João 1:1, 14.
  12. 2 Pedro 1:1.
  13. Paulo, em Tito 2:13.
  14. João, em 1 João 5:20.
  15. João 20:28.
  16. João, em João 1:3.
  17. Paulo, em Hebreus 1:1–2.
  18. Paulo, em Colossenses 1:16–17.
  19. Paulo, em 2 Coríntios 5:10.
  20. Paulo, em Atos 17:30–31.
  21. Peter, em Atos 5:31.
  22. Paulo, em Gálatas 1:3–4.
  23. João, em Apocalipse 1:5.