Uma Vida Solitária que Mudou o Mundo

JAMES A. FRANCIS

Eis um homem que nasceu numa vila desconhecida, filho de uma camponesa. Cresceu em outra vila desconhecida e trabalhou numa carpintaria até os trinta anos, depois do que, por três anos, foi pregador itinerante.

Nunca escreveu um livro nem ocupou um cargo público. Não teve casa própria nem constituiu família.

Jamais cursou uma universidade, não chegou a entrar numa cidade grande, não se afastou duzentos quilômetros daquela onde nascera nem fez nenhuma das coisas que a sociedade contemporânea consideraria um sinal de grandeza.

Não tinha nenhuma credencial a não ser Ele mesmo. Não possuía nada deste mundo, só o poder da Sua divindade. Enquanto ainda jovem, a maré da opinião pública se voltou contra Ele.

Seus amigos O abandonaram, um dos quais O negou enquanto que outro O traiu. Foi entregue aos Seus inimigos e passou pelo ultraje de um julgamento.

Foi pregado a uma cruz entre dois ladrões e, na hora da Sua morte Seus executores apostavam, disputando a única propriedade que tivera na Terra: uma túnica. Depois de morto, foi tirado da cruz e posto num túmulo emprestado por um amigo que dEle sentiu pena.

Dezenove séculos já se passaram e hoje Ele é o centro da humanidade, a maior fonte de orientação e inspiração divina. Não posso me equivocar ao dizer que nem mesmo todos os exércitos que já marcharam, todas as esquadras já formadas, todos os parlamentos já constituídos e todos os reis que já reinaram, somados, tiveram tanto impacto na vida do homem como o teve essa vida solitária. — Jesus.

Por que Jesus morreu?


Por que o Senhor do universo, Deus em carne, Se permitiria ser preso, falsamente acusado, julgado, condenado, chicoteado, despido e pregado numa cruz como um criminoso comum? A resposta é simples: porque Ele amou você e eu.

Todos nós às vezes fazemos coisas erradas e somos indelicados e desamorosos uns para com os outros. A Bíblia diz: “Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 3:23). A coisa pior dos nossos pecados é que eles nos separam de Deus, que é absolutamente perfeito e sem pecado. Para poder nos levar a Deus, Jesus, o imaculado Filho de Deus, tomou os pecados de toda humanidade sobre Si mesmo. Ele recebeu o castigo pelos nossos pecados e sentiu a horrível dor da morte por crucificação. Sofreu a morte de um pecador para que, através do Seu sacrifício, pudéssemos encontrar perdão e ser libertados dos nossos pecados.

Se quiser mais artigos da Revista Contato, visite Contato.