Ascensão do Anticristo

MICHAEL ROY E SCOTT MACGREGOR

“Vem o Anticristo” (1 João 2:18).

Um dos últimos sinais do fim, ao qual a Bíblia dedica diversos capítulos, é o surgimento de um governo mundial liderado por um tirano possuído pelo diabo, conhecido como o Anticristo ou “a besta”. O capítulo treze do Livro do Apocalipse diz que o mundo, na verdade, vai adorar satanás personificado nesse líder mundial desumano. “E adoraram o dragão [o diabo] que deu à besta [o Anticristo] a sua autoridade, e adoraram a besta” (Apocalipse 13:4).

O palco está rapidamente sendo preparado para o mundo aceitar uma liderança mundial. O famoso historiador britânico Arnold Toynbee (1889-1975) estava certo quando disse: “As nações estão prontas para entregarem os reinos do mundo a qualquer homem que nos ofereça uma solução para os problemas do mundo”.

O primeiro presidente da Assembléia Geral da ONU, Paul-Henri Spaak, que também foi primeiro-ministro da Bélgica e um dos primeiros planejadores do Mercado Comum Europeu, bem como secretário-geral da OTAN, declarou: “Nós não queremos mais um comitê; já temos comitês que cheguem. O que queremos é um homem de influência suficiente para conseguir que todos os povos se aliem e nos tire do atoleiro econômico em que estamos nos afundando. Mandem-nos esse homem, e seja ele Deus ou o diabo, nós o receberemos.”

Cada vez se ouve mais sobre a “Nova Ordem Mundial” ou “comunidade global”. O presidente George Bush tornou popular o termo quando, num discurso durante a Guerra do Golfo disse ao congresso americano: “Encontramo-nos hoje num momento ímpar e extraordinário (…) Destes períodos atribulados pode emergir uma Nova Ordem Mundial (…) Hoje esta Nova Ordem Mundial luta para nascer.”1

O Acordo De Paz Em Jerusalém


Ao que parece, esse futuro líder mundial vai subir ao poder numa onda global de euforia, ao entrar em cena para temporariamente salvar o mundo das suas dificuldades econômicas, militares e políticas desesperadoras. Como o próprio Satanás, que freqüentemente aparece como um anjo de luz, esse homem vai enganar a maioria do mundo e levar as pessoas a pensar que ele é um grande homem de paz, um herói. O profeta Daniel escreveu sobre o Anticristo: “Por causa da tranqüilidade destruirá a muitos” e “ele virá caladamente, e tomará o reino com engano” (Daniel 11:21).

Quer este governo único mundial, ao qual ele vai liderar, já esteja em poder ou suba ao poder por ocasião da assinatura do documento conhecido na Bíblia como o Santo Concerto quer não, não sabemos com certeza. A Bíblia indica que um acordo inovador, ou “aliança”, de 7 anos, será de suma importância para lhe garantir a liderança do mundo. Este pacto resolverá temporariamente a crise no Oriente Médio, conseguindo com que os judeus e os árabes entrem num acordo a respeito de Jerusalém e dos lugares sagrados.

Um ponto focal será o Monte Moriá em Jerusalém, lugar sagrado para os judeus (o templo judeu estava lá antes de ser destruído pelos romanos em 70 D.C.), e sagrado para os muçulmanos (o seu santuário mais sagrado na cidade, a mesquita da Cúpula da Rocha, hoje se encontra lá). As Sagradas Escrituras indicam que a aliança do Anticristo permitirá aos judeus reconstruírem o seu templo, onde voltarão aos antigos rituais de sacrifício animal (ver Daniel 8:23-25; 9:27; 2 Tessalonicenses 2:1-4).

A Grande Tribulação


Embora, a princípio, a maior parte do mundo vá receber a besta como um salvador político, três anos e meio depois do início da aliança de sete anos, ele vai revogar o pacto de paz e mostrar as suas verdadeiras intenções. Ele então invadirá Israel e estabelecerá em Jerusalém a sua capital mundial. (Daniel 11:45).

Seu governo banirá todas as religiões, exceto a adoração a si mesmo e a uma imagem dele, que de alguma forma receberá poder para falar e “fazer que sejam mortos todos os que não a adorarem” (Apocalipse 13:14-15). Jesus disse que quando virmos essa imagem, a “abominação da desolação no lugar santo [templo] … então haverá grande aflição [tribulação] como nunca houve desde o princípio do mundo” (Mateus 24:15,21). Portanto, o nome dado a este período é a “Grande Tribulação.” Será um período de cruel repressão e perseguição — por parte da besta e seu regime — contra os que acreditam em Deus. (Ver também Daniel 7:21,25; 8:23-24; 11:31-35; 12:10; Apocalipse 13:5-7.)

É nessa ocasião que o Anticristo porá em vigor o seu infame sistema de crédito mundial, o “666”.

A “Marca Da Besta”


“E fez que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, lhes fosse posto um sinal na [dentro da] mão direita, ou na [dentro da] testa, para que ninguém pudesse comprar ou vender senão aquele que tivesse o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta, pois é o número de um homem. O seu número é 666” (Apocalipse 13:16-18).

Esta profecia é verdadeiramente notável. Imagine: há quase 2 mil anos, o apóstolo João, que antes de conhecer Jesus era pescador, e por sua vez conhecido como um “homem sem letras e indouto “ (Atos 4:13), prediz que um dia será instituído um sistema econômico global em que todos serão obrigados a receber um número, sem o qual não poderão comprar nem vender. Essa profecia somente se tornou passível de realização após a invenção dos computadores e agora do banco eletrônico.

Existem atualmente vários métodos usados para fazer compras. Estamos efetivamente a caminho da eliminação do papel-moeda. Uma solução barata e funcional seria um chip, semelhante aos usados nos cartões inteligentes, inserido sob a pele de todo homem, mulher e criança. Na verdade, o chip poderia ser menor que o utilizado nos cartões, pois não precisaria conter todas as suas informações pessoais, apenas um identificador único como um número seqüencial, que permitiria o acesso a todas as suas informações pessoais, registradas em uma rede gigantesca de base de dados. Depois de implantado, o chip poderia ser lido por um equipamento semelhante aos usados para leitura de código de barras em um supermercado, e você se tornaria o seu próprio cartão inteligente. Isso resolveria o problema tão dispendioso de verificar se o portador de um cartão é o seu dono de fato!

Uma sociedade global sem dinheiro vivo está a caminho. Fibra ótica, satélites e bancos de dados em computadores têm o potencial para controlar o mundo de uma maneira assombrosa. Vários governos e corporações mundiais privadas procuram um meio de eliminar o papel-moeda e os cheques, enquanto muitos outros países estão testando vários métodos de fazer negócios sem dinheiro vivo. Pela primeira vez, está disponível a alta tecnologia necessária para o cumprimento da assombrosa visão descrita pelo apóstolo João há quase dois mil anos.

O Poder Atrás do Trono


O líder mundial vai exigir que o mundo o adore não só por ser extremamente egocêntrico, mas por estar revestido de poder do próprio Satanás, ou seja, possesso pelo Diabo. “O dragão [Satanás] deu-lhe o seu poder, o seu trono e a sua autoridade”(Apocalipse 13:2).

Satanás sempre quis ser Deus. Essa foi a razão da sua queda. O profeta Isaías escreveu:

“Como você caiu do céu, Lúcifer, filho da manhã! (…) Você imaginou: ‘Eu vou subir bem alto no céu; dominarei todos os anjos, sentado no trono mais importante (…) Subirei até o último céu e serei igual ao Grande Deus.’ Mas em lugar disso, você vai ser jogado violentamente para o Inferno, para o fundo do Inferno” (Isaías 14:12-15, BV).

Cuidado Com O 666!


O que Satanás está realmente buscando ao fazer com que o governo do Anticristo estabeleça um sistema financeiro global é adquirir o controle da população do mundo e fazer com que se curvem para adorá-lo. É por isso que a Bíblia adverte: “Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal na sua testa, ou na sua mão, também o tal beberá do vinho da ira de Deus (…) Não têm repouso nem de dia nem de noite os que adoram a besta e a sua imagem, e aquele que receber o sinal do seu nome” (Apocalipse 14:9-11).

Notem que há dois elementos que caracterizam alguém passível dessa maldição: a adoração pela Besta e a aceitação da sua marca. O Livro do Apocalipse relaciona essas duas coisas à maldição em seis passagens diferentes. É certo que existirá uma inter-relação entre ambas, ainda que hoje não entendamos exatamente como ela ocorrerá . A primeira vista, parece que a Marca está simplesmente ligada a um sistema econômico e de identificação, mas pelo que as Escrituras indicam, pode não parar aí. Portanto, cuidado!

Então, quando vir surgindo um governo mundial e o seu líder exigir uma aliança, lealdade a ele e até adoração, não se deixe levar. Independentemente dos “incentivos” econômicos oferecidos ou das conseqüências ruins prometidas aos que recusarem a marca e o número, dedique seu amor e adoração ao Deus verdadeiro, o seu Criador, que o ama e cuida de você, e que prometeu que o ajudará nos dias por vir, se você depositar sua confiança nEle. A Bíblia diz: “O povo que conhece ao seu Deus se tornará forte”(Daniel 11:32).

Se quiser mais artigos da Revista Contato, visite Contato.


Nota de rodapé
  1. Johnston, Jerry. The Last Days of Planet Earth. Eugene, Or.: Harvest House Publishers, 1991, pp. 129–131.